10 perguntas para Michele Conte

Divulgação
Michele Conte
Há 10 anos o empresário Michele Conte mudou a configuração das festas em Rio Preto com a inauguração do Villa Conte – espaço de eventos considerado um dos mais deslumbrantes do interior paulista. Neste bate-papo com a Gazeta ele relembra o início e também momentos inesquecíveis lá ocorridos.
1. São 10 anos de Villa Conte. Qual foi a maior dificuldade em emplacar um empreendimento dessa envergadura?
Foram muitas. Porém sem sombra de dúvida a maior delas foi para a formação da equipe de trabalho. Hoje somos uma grande família, composta de profissionais de alta qualificação. Basta ver a rotatividade existente em muitas empresas, sendo que aqui praticamente não existe.
2. Cite alguns números do Villa Conte.
A área total é de 72 mil metros quadrados, sendo mais de seis mil de área construída. De acordo com Corpo de Bombeiro, o local tem capacidade para 3304 pessoas. Em uma única festa podem trabalhar até 200 funcionários.
3. De uns anos para cá vocês implementaram o serviço de gastronomia ao salão. O que mudou com isso?
Imagine semanalmente substituir todo o mobiliário, a cozinha, e os funcionários de sua casa. Isto acontecia praticamente duas vezes por semana. Nossas instalações estavam se deteriorando e o padrão de serviço praticamente não existia. Sem dúvida esse foi o motivo de montarmos nosso próprio Buffet. Hoje nossa cozinha é considerada uma das mais bem montadas de Rio Preto, com equipamentos de última geração, enfim o que era apenas cenário passou a ser definitivo.
4. Qual o estilo de evento predominante na agenda do Villa Conte?
Nosso espaço é modulável e pode adaptar-se a diversos eventos, podendo receber de cem a três mil convidados sem comprometer o visual. Por isso possuímos um portfólio de eventos com diversos estilos, porém são os casamentos que predominam.
5. Centenas de festas já aconteceram no Villa Conte. Relembre uma cena inesquecível.
Muitas foram marcantes, cada uma a sua maneira. Mas eu escolheria a confraternização do grupo Votorantin, em 2008, como a mais marcante. Aqui esteve toda diretoria do grupo. Naquela noite tudo foi indescritível, destacando o show das águas dançantes com projeção na parte central de nosso lago; um espetáculo digno de Las Vegas.
6. Ainda sobre bastidores das festas. Conte uma boa história ocorrida com vocês.
Em 2007, eu estava em Genebra hospedado no luxuoso Four Seasons, a convite de minha filha, que lá estagiava. Após o jantar, o gerente sabendo que eu era do Brasil apresentou-me um casal, que a pouco voltara do Brasil. Eufóricos, me contaram que estiveram em um local muito bonito, localizado na orla de um lago, em meio de uma mata virgem (palavras deles) em um casamento para o qual haviam sido convidados. Em segundos perguntei se este local era em São Jose do Rio Preto, e se chamava Villa Conte. A surpresa, de ambos os lados foi enorme. Até hoje ao recordar não consigo segurar algumas lágrimas. Ah, o casamento foi o de Kika Tarraf e João Paulo Branco Peres.
7. De 10 anos para cá ficou mais caro festejar?
Estamos divulgando a seguinte frase “Consulte-nos, custa menos do que você imagina”. Por quê? Muitos supõem que os valores por nós praticados são inacessíveis, porém se surpreendem ao ver que nossos preços são iguais ou menores que a concorrência.
“Diria que as crises são iguais as corridas de F1 com chuva. Enquanto a maioria dos pilotos “tira o pé”, os corajosos aceleram e ganham a prova”
8. Quais as últimas modificações?
Anualmente, o Villa Conte ganha novas repaginações: novo foyer, camarim exclusivo para noivas, lustres, cortinas, túnel panorâmico translucido, novos banheiros, mobiliário, segundo palco para shows e novo espaço para cerimônias religiosas com mobiliário próprio.
9. Fala-se em uma expansão do Villa Conte. Existe este projeto?
Os seres humanos acordam pensando em dar um passo á frente, em crescer, expandir, isso motiva nossa vida. Realmente temos um projeto de um novo salão (com terraplanagem pronta), porém priorizamos o término de outro projeto que estava em andamento.
10. Em tempos de crise, houve mudança no comportamento dos anfitriões?
A crise é mais sentida nos gastos cotidianos, um casamento ou 15 anos, acontece uma vez em nossa vida e a maioria já está programada para isso. Nosso espaço oferece praticamente tudo para nossos clientes, e isso faz com que os custos sejam mais acessíveis. Sem contar que os eventos são contratados com muita antecedência, e nós brasileiros sempre acreditamos que as crises são passageiras. Existem muitos que passam horas e até dias falando em crise. Tornou-se hábito ao encontrarmos alguém e perguntar “E a crise?”. Alguns adiam planos, outros deixam de executar obras importantes, até deixam de viver por conta da crise. Ora, deixemos “ela” para os outros e vamos trabalhar. Finalizando, diria que as crises são iguais as corridas de F1 com chuva. Enquanto a maioria dos pilotos “tira o pé”, os corajosos aceleram e ganham a prova.