GAZETA DIGITAL ISSUU - Gazeta de Rio PretoISSUU - Gazeta de Rio Preto

Cultura

O espetáculo Guanabara Canibal é destaque no FIT nesta terça-feira, dia 10

Peça da Aquela Cia. de Teatro será apresentada às 19h e traz o extermínio dos índios encabeçado pelos colonizadores portugueses, com base na Batalha de Uruçumirim, em 1567

O espetáculo Guanabara Canibal, da Aquela Cia. de Teatro, propõe no Festival Internacional de Teatro de Rio Preto (FIT Rio Preto) uma reflexão sobre o massacre dos índios tupinambás, tendo como norte histórico a Batalha de Uruçumirim, em 1567. A montagem, dirigida por Marco André Nunes, com dramaturgia de Pedro Kosovski, será apresentada nesta terça-feira, dia 10, e na quarta-feira, dia 11 de julho, no Ginásio do Sesc Rio Preto, às 19h. A peça expõe um dos principais objetivos da 18ª edição do FIT Rio Preto: questionar as contradições de um tempo em mutação. O espetáculo é recomendado para maiores de 14 anos.
 A Aquela Cia. questiona, além do extermínio da população indígena durante uma guerra injusta travada com os colonizadores portugueses, qual a representatividade hoje dos primeiros habitantes do Brasil em todos os setores, principalmente no entorno da baía de Guanabara, local do início da batalha. Os séculos silenciaram os gritos da população indígena. Nem os livros de histórias trazem essa parte violenta da fundação da capital carioca. O espetáculo faz questão de embaralhar o passado e o presente a fim de discutir os direitos das minorias.

Guanabara Canibal é terceira parte da trilogia sobre a história da cidade do Rio de Janeiro, que teve início com as peças Cara de Cavalo e Caranguejo Overdrive. A pesquisa para a peça teve como proposta uma revisão crítica da narrativa histórica e colonial da fundação do Rio de Janeiro. As fontes para a concepção do espetáculo passam por textos e crônicas do século XVI sobre o Brasil. Entre eles: Jean de Lery, André Thévet e José de Anchieta. A Aquela Cia. de Teatro interpela também o porquê a contribuição dos povos indígenas à formação do Brasil não teve destaque na história. Pelo contrário, foi apagada e substituída por celebrações a alguns homens, tidos como heróis nacionais, como José de Anchieta e Estácio de Sá. Guanabara Canibal conta com música ao vivo e intervenções eletrônicas, comandada por Felipe Storino.

Marco André Nunes e Pedro Kosovski fundaram em 2005 a Aquela Cia. de Teatro e vêm desenvolvendo, ao lado de outros artistas, uma linguagem cênica própria. Entre as encenações mais recentes, destacam-se Outside: um musical noir (2011), indicado aos prêmios Shell, APTR e Questão de Crítica; Cara de Cavalo (2012), indicado aos prêmios Shell Questão de Crítica; Edypop (2014), indicado aos prêmios Questão de Crítica e Cesgranrio e Laio e Crísipo e Caranguejo Overdrive premiado em diversas categorias do Shell, APTR, Cesgranrio e Questão de Crítica.
Direção Geral: Marco André Nunes

Texto: Pedro Kosovski

Atores: Carolina Virguez, Matheus Macena, Reinaldo Junior, João Lucas Romero e Zaion Salomão

Direção Musical: Felipe Storino

Iluminação: Renato Machado

Instalação Cênica: Marco André Nunes e Marcelo Marques

Figurino: Marcelo Marques

Visagismo: Joseff Cheslow

Produção Geral: Núcleo Corpo Rastreado / Aline Mohamad / Thaís Venitt

Realização: Aquela Cia. de Teatro

Vídeos: https://vimeo.com/239218842

Classificação indicativa: 14 anos

Duração: 80 minutos

Dias: 10 e 11/7

Horário: 19h

Local: Sesc - Ginásio

 

 

Por Da Redação em 10/07/2018 às 11:46