Cidades

Defesa Civil quer suspender educação física devido à baixa umidade do ar

Há quase três meses sem chuva, coronel quer se reunir com Secretaria de Educação de Rio Preto para analisar suspensão das aulas à tarde

A Defesa Civil de Rio Preto estuda a possibilidade de pedir a suspenção das aulas de educação física à tarde nas escolas municipais. Na tarde de quinta-feira, dia 10, a umidade relativa do ar estava em 17%, de acordo com o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Ceptec). A porcentagem ideal, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é de 60%. A situação ficou ainda mais grave porque uma área que pertencia ao antigo IPA (Instituto Penal Agrícola), entre Rio Preto e Mirassol, foi atingida por um incêndio considerado de grandes proporções pelos bombeiros. Três equipes da corporação e uma da Defesa Civil trabalharam para controlar as chamas. Não houve registro de vítimas.

“Vamos analisar a situação nos próximos dias e caso os índices não melhorem, vamos procurar a Secretaria de Educação para falar a respeito da suspensão das aulas de educação física à tarde”, afirma o coronel Carlos Lamin, que também é diretor da Defesa Civil de Rio Preto.

Não é de hoje que o tempo seco está castigando os rio-pretenses neste inverno de dias com cara de verão. De acordo com Núcleo de Sementes, desde o dia 21 de maio não chove no município, o que representa quase três meses de estiagem. O clima seco e baixa umidade do ar são favoráveis principalmente para aparecimento de doenças respiratórias, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), asma, pneumonia e rinite alérgica.

A otorrinolaringologista Larissa Macedo Camargo afirma que, com a baixa umidade, as mucosas dos olhos, da boca e do nariz ficam ressecadas, favorecendo a atuação de agentes externos, como vírus e bactérias. As principais doenças que se manifestam nesse período são as infecções das vias aéreas, como rinites, sinusites, pneumonias e asma.

“Com a desidratação da mucosa, além da facilidade de aderência desses agentes externos, as células do sistema imunológico têm mais dificuldades de chegar às vias áreas. Então, o aporte de células de proteção é reduzido”, explica. Para reduzir as consequências do clima seco, a receita é investir na hidratação, consumindo muitos líquidos e lavando o nariz com soro fisiológico, além de hidratar a pele para evitar dermatites.

Receitas caseiras

Nestas condições alarmantes, o jeito é apelaràsfamosas receitas caseiraspara melhorar a qualidade do clima. A principal dica dos especialistas é, sem dúvida, colocar uma bacia cheia d’água no ambiente de trabalho – ou na sala e quarto. Deixar o ambiente mais úmido é uma boa maneira de evitar que os hospitais fiquem mais cheios. A aposentada Dorcelina Maria Lopes do Santos, de 63 anos, moradora do bairro São Miguel Arcanjo I – área rural de Rio Preto – sofre de reniti alérgica e relata o mal estar nos dias secos e as opções para amenizar o problema. “Jogo todos os dias água pelo quintal para diminuir a poeira e aumentar a umidade. Já no final da tarde, costumo passar pano bem úmido em todos os cômodos da casa. Quando minha rinite ataca sinto dores de cabeça, no rosto e desconforto nos ouvidos”, explica.

A auditora Anahy Renzetti, de 35 anos, diz que neste período seco não abre mão do umidificador de ar no quarto da filha Betina, de 5 anos. “Além de todo o cuidado com hidratação e protetor solar, nesta época não deixo ela dormir uma noite sem ligar o umidificador. Ameniza esta sensação de clima seco e faz com durma melhor”, conta.

Durante o dia, a hidratação é a principal preocupação de Anahy. “Em casa, aos finais de semana ofereço o tempo todo água e sucos. Na escola sempre dou aquela reforçada apesar de os profissionais da instituição já saberem. Cuidado nunca é demais”, ressalta.

O empresário Mauro de Souza Júnior, 37 anos, mudou os horários das atividades físicas devido ao clima seco. “Procuro pedalar no final da tarde do que em outros horários. Não só durante as atividades, mas também ao longo do dia aumento o consumo de líquidos e costumo usar soro no nariz para umidificá-lo”, ressalta.

 

Previsão de chuva

Segundo dados do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) há previsão de uma pancada de chuva, acompanhada de trovoadas, a partir da próxima terça-feira, dia 15. A probabilidadeé de 80% com possibilidades de trovoadas.

 

Número de queimadas cresce com tempo seco

Além dos problemas de saúde causados pelo tempo seco, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Rio Preto alerta para o risco de incêndios em terrenos baldios e em grandes áreas de vegetação da região. Para minimizar estes problemas foi criado o Programa Queimadas, que conta com um sistema de monitoramento por satélites disponibilizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O objetivo é usar a tecnologia como ferramenta para melhorar as ações do órgão.

“Com o geoprocessamento, teremos informações precisas e recentes de onde esses problemas ocorrem com mais frequência. Assim, vamos direcionar melhor a nossa patrulha. Hoje, notamos que a região norte da cidade concentra maior parte das ocorrências”, afirma o coronel Carlos Lamin, que é diretor da Defesa Civil.

Outro recurso adotado pela Defesa Civil é o uso de aeronaves para combater os focos de incêndio. “O avião pertence a uma empresa privada e por meio de um contrato realizado entre o Governo do Estado foi realizada a aquisição de horas de voo para apoio das equipes do Corpo de Bombeiros na extinção de incêndios em áreas de áreas de preservação permanente” conta Lamin.

A aeronave usada no combate às chamas é capaz de armazenar mil litros de água a cada decolagem, despejando espuma sobre uma faixa de um quilômetro de comprimento e trinta metros de largura.

O Diretor da Defesa Civil pede o apoio da população. “Muitas pessoas têm o costume de juntar folhas e atear fogo. Pedimos para que não faça isso. As condições climáticas estão desfavoráveis e com a fumaça a situação fica mais crítica. Em casos de incêndios em terrenos, quando o incêndio não for de grandes proporções, os cidadãos podem tentar extinguir as chamas, claro, sem jamais colocar sua vida em risco. Se achar que o fogo já está alto, acioneimediatamente o Corpo de Bombeiros” diz. (AP)

Por Alex Pelicer em 10/08/2017 às 23:59