Artigos

O tempo da praça

Artigo escrito por Roberto Lima

Uma cidade pode ser medida pela dimensão e desenvoltura de seus moradores. É lógico que não é só o governo municipal e suas lideranças locais que devem trabalhar pelo bem de toda comunidade, pelo desenvolvimento das coisas públicas. A sociedade deve e pode estar envolvida em obras e iniciativas que fazem da cidade um local bom e aprazível de se viver, um ambiente de prosperidade, harmonia e qualidade de vida.  E por sociedade entenda-se o cidadão comum, pessoa física, só ou em grupo. Pode ser uma associação, uma igreja, um grupo organizado de vizinhos, amigos, voluntários. Sociedade pode ser a empresa e seus representantes. Essa introdução é para comentar sobre a revitalização da praça Waldemar de Oliveira Verdi, na avenida Juscelino Kubitschek, aqui em Rio Preto. Um cenário de descanso, lazer, acolhida, esporte e convívio oferecido à população com requintes de delicadeza, capricho, modernidade e belíssimo paisagismo. A iniciativa é uma parceria entre a Prefeitura Municipal e o Grupo Rodobens. Waldemar de Oliveira Verdi, patriarca da família Verdi e fundador do grupo empresarial, sempre foi um apaixonado por Rio Preto. Sempre fez questão de manter a raiz e nascedouro de seus negócios na cidade. Gostava da denominação de empresário caipira e não abria mão de que o desenvolvimento de Rio Preto passasse pelo caminhar e progresso de suas empresas. Essa é a forma visionária, generosa, carinhosa pela qual o empresário deve se relacionar com a cidade que acolhe sua empresa, com a cidade em que habitam a maioria de seus colaboradores. E não se trata apenas do grande, do mais bem sucedido. Toda comunidade – vale reforçar – pode empreender pequenas ações, iniciativas criativas e singelas, serviços ou praticas que retribuam com mais verde, com mais gentileza, com mais sombra, com mais afeto, com mais humanidade, com mais sorrisos. Basta querer e estar atento para onde o braço alcança, para onde é possível voltar o olhar e ali realizar algo pelo bem comum. O hábito de adotar áreas públicas é uma benção que poderia se espalhar, como um bom perfume por mais e mais empresas e instituições. Todos ganham com esse jeito inteligente, moderno e arejado de recompensar a população. Nesses tempos em que o Brasil sofre com o escárnio de políticos escandalosamente corruptos, que nos roubaram com fúria sanguinária, atitudes de excelência como a Praça Waldemar de Oliveira Verdi são oxigênio e ar fresco para a combalida alma brasileira. Que possamos nos contaminar com essa boa notícia; que ainda outros empresários e cidadãos rio-pretenses queiram estar adiante de seu tempo. No tempo da gentileza, delicadeza, elegância, doçura e bem querer. No tempo de um mundo novo e leve. Como uma linda praça num dia de sol.

Roberto Lima Filho

Doutor em Ortodontia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Por Da Redação em 11/05/2017 às 23:30
JK Essencial Residence