Artigos

Como saber se a declaração foi entregue corretamente?

Artigo escrito pelo técnico contábil, Arnaldo Pontel

Depois de muito trabalho separando todos os documentos para declaração de imposto de renda, ligar para instituições financeiras (bancos), escolas fundamentais, graduações, empresa que está trabalhando ou empresa que foi desligado, previdência social (para aposentados), lembrar-se de bens que foram vendidos ou adquiridos, despesas médicas, enfim todos os documentos necessários, faça-se a declaração e entrega, tendo valores a restituir ou a pagar, ufa, ok, tudo certo!

Aí é que mora o perigo! Atualmente os cruzamentos de informações são grandes, por parte da Receita Federal.  Ela tem informações das instituições médicas (dmed), imobiliários (dimob) (locação, venda e compra), cartórios de registro de imóveis, e quando não há certeza dessas informações existe o risco de cair na malha fina (pendências ou declaração retida) por inconsistência de informações.  E como resolver?

Existe atualmente no site de Receita Federal, cadastro de senha para consulta de pendências ou inconsistências na declaração entregue.  Esse acompanhamento é fundamental para corrigir informações prestadas de forma equivocada e ter a oportunidade de corrigir as informações.

Para gerar esta senha basta acessar o site www.receita.fazenda.gov.br, portal e-cac, geração do código de acesso, (informações necessárias), cpf, data de nascimento, números dos recibos de entrega das declarações do imposto de renda pessoa física dos exercícios referentes às declarações ativas (últimas entregues) das quais o contribuinte seja titular. Em caso de existência de registro de declaração de somente um dos últimos exercícios, será obrigatório que o contribuinte informe o número do recibo referente à declaração ativa (última entrega) deste ano, e com essa senha de acesso em mãos, temos uma ferramenta poderosa para verificar qualquer inconsistência na declaração de imposto de renda dos últimos cinco anos. Com isso cria-se um canal de comunicação virtual entre o contribuinte e a Receita Federal.

O contribuinte tem tempo hábil para corrigir, informar quem forneceu serviço para ele, como dentistas, médicos, escolas, ou terceiros com o qual houve transações comerciais (compra e venda e bens), informes de rendimentos, enfim qualquer divergência possível.

E se não for corrigido, aí sim, o contribuinte cai na malha fina arcando com multas de 75% a 150% sobre valor de imposto a recolher.

Arnaldo Pontel

Técnico Contábil.

Por Da Redação em 04/05/2017 às 23:00
JK Essencial Residence