Artigo Político (Wilson Romano Calil)

Não dê esmolas?

Artigo escrito por Wilson Romano Calil

De vez em quando deparo-me com tabuletas com o dito “dar esmolas não ajuda, dê oportunidades”.

Como reconheço que é boa a intenção de quem propaga essas ideias manifesto a minha discordância, porém, com compreensão e respeito.

Faço-o em razão das considerações a seguir expostas: o dito é anticristão; a maioria dos que pedem esmolas são, com frequência, portadores de distúrbios mentais.

Quais são as oportunidades a lhes dar? Algum cargo no governo para que eles tenham a possibilidade de roubar a Petrobrás, a ocupação de uma das melhores sinecuras?

Algum cargo federal ou de outras instâncias?

Dizem os entendidos que dar esmolas é um dos três atos de caridade que se iguala à fé e à oração.

A esmola se parece com o dízimo que, dizem os autores, eram usados para assistir aos órfãos, às viúvas e aos pobres.

Lucas disse: - “Dá sempre a todo aquele que te pede...”.

Dar esmolas não ajuda. Contradiz Lucas 6:38: “Dai sempre, e recebereis sobre vosso colo uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante.”

Portanto, à medida que usares para medir o teu próximo, essa mesma será usada para vos medir. Lucas 11:41: “Portanto, dai ao necessitado do que está dentro do prato, e vereis que tudo será purificado.”

Lucas 18:22: “...Reparte o dinheiro entre os pobres, e ganharás um tesouro nos céus.”

Isaías 58:7-10: “Ora, não é partilhar o teu alimento com o faminto, abrigar o pobre desamparado, vestir o nu e sem teto que encontraste e não recusar tua ajuda ao próximo”.

Mateus 5:42: “Dá a quem te pedir”.

A leitura da Bíblia, mentora do cristianismo e os livros sagrados de outras religiões abençoam o “dar esmolas”.

Em resumo, meu prezado leitor, se você é adepto de não dar esmolas, não se intitule cristão, leia a Bíblia e encontrará dezenas de outros escritos favoráveis a que se dê esmolas.

Dar esmolas não é, simplesmente, dividir o alimento, mas ser solidário com os que sofrem, um exemplo: a Santa Casa de Rio Preto, no passado, quando não existiam postos de atendimento, nem institutos, nada que atendesse aos pobres doentes tinha um grupo de 25 médicos que atendiam dia e noite sem nenhuma remuneração os pobres da cidade e da região, atendimentos, cirurgias, partos, etc.

Após 25 anos, o médico era aposentado e transferido para o Conselho Consultivo.

Ganhando quanto?

Zero reais.

A única aposentadoria no mundo em que o aposentado paga a mensalidade. Tenho a honra de ser um deles.

Mensagem final aos autores e mandantes das tabuletas anticristãs: Mudem o texto.

Não digam mais: “Dar esmolas não ajuda”.

Para que as tabuletas não continuem a pregar contra o cristianismo. Substituam os textos dizendo: “Não dê apenas esmolas, dê, também, oportunidades”.

Vejam como a palavra “apenas” traduz toda uma filosofia de vida.

Wilson Romano Calil, médico, advogado, professor, jornalista e escritor.

Por Wilson Romano Calil em 13/07/2017 às 23:04
JK Essencial Residence